NOVO COMUNICADO DO SUPERIOR GERAL DO SODALÍCIO

Comunicado-PortuguesComunicado – O Superior do Sodalício explica a situação do seu Fundador

À opinião pública em geral, queremos comunicar o seguinte:

1. Com ocasião da publicação do livro “Mitad monjes, mitad soldados” do jornalista Pedro Salinas foram feitos diversas reportagens e comentários nos meios e nas redes sociais. Como autoridades do Sodalício de Vida Cristã, emitimos um comunicado público, que hoje consideramos insuficiente.

2. Nos testemunhos são relatados fatos como abuso, maus-tratos e inclusive abuso sexual. Sentimos profunda dor e vergonha que fatos assim possam ter sido cometidos por Luis Fernando Figari, fundador e por muitos anos também Superior geral de nossa comunidade. Condenamos os fatos que possam ter acontecido, em especial os de abuso sexual, que ferem de modo tão profundo às pessoas.

3. O livro recolhe testemunhos variados que são verossímeis e que devem ser esclarecidos exaustivamente. Além disso, há ex-membros do Sodalício que dizem ter sido vítimas de abusos de diversa índole por parte de Luis Fernando Figari. Sabemos que há denúncias que foram entregues aos tribunais eclesiásticos, mas que não são acessíveis porque os tribunais mantêm sigilo para poder emitir seus juízos com independência. Por outro lado, Luis Fernando Figari diz ser inocente de toda acusação, mas até a presente data não quis prestar declarações públicas, como seria a sua obrigação moral. O atual Superior geral do Sodalício comunicou todas estas coisas às autoridades eclesiásticas pertinentes, e sabemos que elas estão levando adiante uma investigação, da qual esperamos resultados nos próximos meses.

4. Reiteramos o nosso desejo de acompanhar todos os afetados, lhes pedimos perdão de todo coração, e lhes oferecemos a nossa ajuda no que seja necessário. Para realizar de modo efetivo nos propomos criar uma comissão ad-hoc, com a participação de expertos externos à nossa instituição, que possa ir ao encontro de qualquer pessoa que tenha sido afetada. Ao mesmo tempo, nos comprometemos a investigar exaustivamente até esclarecer a verdade dos fatos que são intoleráveis pois implicam um grave sofrimento de pessoas que confiaram na nossa instituição e traem os nossos valores mais profundos. Estamos dispostos a colaborar em tudo o que for necessário com as autoridades civis e eclesiásticas.

5. Sabemos que como comunidade temos um grande desafio pela frente, o que implica colocar todos os meios para que algo como o que foi denunciado nunca aconteça na nossa instituição.

Lima, 21 de outubro de 2015
Alessandro Moroni Llabrés
Superior Geral