A Família Sodálite na Vigília de Adoração

Rio de Janeiro, 01/08/13 (Notícias Sodálites – Brasil) Durante aproximadamente uma hora, milhões de jovens se uniram numa vigília de oração junto ao Papa Francisco diante do Santíssimo Sacramento no passeio de Copacabana como preparação à missa de envio da JMJ Rio 2013.

Os mais de três milhões de jovens que cubriram o passeio da praia de Copacabana junto ao Papa Francisco, começaram sua peregrinação a partir das 7 am na Estação Central do Rio de Janeiro. Em um alegre espirito de fraternidade e fé os jovens caminharam cerca de 10 km entre cantos e um enorme número de bandeiras e idiomas.

Depois de cruzar os túneis que conectam com a zona de Copacabana os jovens peregrinos foram recebidos em um ambiente de festa pela organizaçao da JMJ e alguns eventos musicais preparados para eles. Através de telas gigantes puderam ver a reconhecidos artistas católicos e dispuseram para ocupar um lugar na praia ou no passeio pelo qual passaria o papa-móvel trazendo o Santo Padre ao escenário principal.

Os peregrinos do MVC puseram em prática toda sua criatividade para poder encontrar-se em grupo. Utilizaram bandeiras, cordas, sacos de dormir, plásticos e até a própria areia para marcar espaços onde chegariam posteriormente mais membros dos movimentos ou grupos que permaneciam até onde conseguiam chegar. Muitos deles prescindiram do almoço do peregrino, que formava parte do kit, para poder chegar mais rápidos à praia. Alguns aproveitaram para desfrutar do mar enquanto outros se dispunham a comer ou a colocar-se perto das barreiras que marcavam o caminho a percorrer do Papa.

Apesar de um prometedor sol que acompanhou o caminho dos peregrinos até o novo Campo da Fé, chegada a tarde se ocultou atrás de nuvens cinzas como as que haviam acompanhado esses dias à cidade do Rio de Janeiro. Não obstante o cinza do céu e o frio não impediram aos peregrinos preparar-se para ver passar o Papa Francisco, que finalmente depois de percorrer a Avenida Antlântica e logo de chegar ao cenário, presidiu uma apresentação artistica que serviu de preambulo para a vigilia, junto a emotivos testemunhos de perseverança e conversão.

O Papa Francisco dirigiu aos jovens um discurso no qual se referiu à inesperada mudança do Campo da Fé – Campus Fidei – como uma sinal de Deus através do qual revela que “o verdadeiro Campus Fidei, não é um lugar geográfico senão que somos nós”. Fazendo referência a São Francisco de Assis, o Papa convidou aos jovens a reconhecer e responder com prontitude ao chamado do Senhor a consertar sua Igreja, a “colocar-se ao serviço da Igreja, amando-a e trabalhando para que nela se refletisse cada vez mais o rosto de Cristo”. Lhes pediu que sejam protagonistas da mudança começando “pos vós e por mim”.

Desenvolveu sua catequese através de três imagens, que nos podem ajudar a entender melhor o que significa ser um discípulo missionário: a primeira, o campo como lugar onde se semeia; a segunda o campo como lugar de treinamento; e a terceira; o campo como obra de construção”. Depois de convidar aos jovens a deixar entrar a semente de Jesus em nosso coração, fazendo referência ao Evangelho, assinalou “os treinamentos para seguir a Jesus: a oração, os sacramentos e a ajuda aos demais, o serviço aos demais”. Além do mais lembrou que “quando se << sua a camisa >>, tratando de viver como cristãos, experimentamos algo grande: nunca estamos só, formamos parte de uma família de irmãos que percorrem o mesmo caminho: somos parte da Igreja”.

Depois das palavras do Santo Padre com a chegada do Santíssimo Sacramento teve uma brusca mudança na multidão. Tão contundente como os gritos e a alegria dos jovens, foi o silêncio no qual se gerou um propicio ambiente para a oração. Juntos, o Papa e mais de 3 milhões de jovens, se prostraram de joelhos diante do Jesus Sacramentado para adorar o verdadeiro artífice do colossal encontro de jóvens católicos de todo o mundo junto ao seu vigário na Terra. Por cerca de uma hora os quilômetros cobertos pelo mar de gente se encheram de silêncio e um a um, inclusive os que não podiam ver a última tela eram convidados a rezar por um momento e recolher-se em silêncio. Alguns artistas católicos cantaram também de joelhos para ser parte do momento de adoração.

Depois de retirar-se o Santo Padre, se realizaram outro números artisticos e o ambiente juvenil na praia vencia o crescente frio através de sorrisos e peregrinos que entravam no meio da multidão procurando trocar lembranças ou assiná-las e as bandeiras, de maneiras a perpetuar a experiência da Igreja Universal. Até altas horas da noite se Mantiveram os cantos, e as orações, enquanto um a um os peregrinos da Família Sodálite se dispuseram a dormir para estar prontos para a missa de envio ao dia seguinte.