O Conselho Pontifício para os leigos nomeia consultora a superiora Geral da Fraternidade Mariana da Reconciliação

Roma, 07/02/14 (Notícias sodálites – Itália). O Santo Padre Francisco nomeou a Alejandra Keen Von Wuthenau, Superiora Geral da Fraternidade Mariana da Reconciliação, como consultora do Conselho Pontifício para os Leigos.

O Boletim da Oficina de Imprensa da Santa Sede anunciou as novas nomeações que o Papa Francisco realizou dos membros e consultores do Conselho Pontifício para os Leigos. Entre os latino-americanos designados como membros se encontram os cardeais João Braz de Aviz, prefeito da Congregação para os institutos de vida consagrada e as sociedades de vida apostólica e Orani João Tempesta, Arcebispo do Rio de Janeiro. Como consultores focam eleitos Dom Alberto Taveira Correa, arcebispo de Belém do Pará, o R.P. Fra Hans Stapel, Fundador e Presidente da Associação Teresiana e a senhorita Alejandra Keen, da Fraternidade Mariana da Reconciliação.

O Pontifício Conselho para os Leigos é o dicastério que assiste ao Sumo Pontífice em todas as questões que tem a ver com aporte que os fiéis leigos dão à vida e a missão da Igreja, seja como pessoas individuais, ou seja, através das diversas formas de agregação que nasceram e continuamente nascem na Igreja. É atualmente guiado pelo Cardeal Stanislaw Rylko, Presidente do dicastério e o Secretário Mons. Josef Clemns. Ambos foram novamente confirmados em seus cargos.

Trabalham no Pontifício Conselho para os Leigos bispos, sacerdotes e sobre tudo leigos, homens e mulheres de toda parte do mundo, que se encontram uma vez ao ano em uma assembleia plenária para afrontar os temas mais urgentes para a vida e missão os leigos. Além do mais, se valem também da colaboração de 30 consultores, que são convocados para sessões de trabalho ou a quem se pede individualmente uma parecer sobre questões específicas.

A Fraternidade Mariana da Reconciliação, fundada em Lima o 25 de março de 1991, conta com uma espiritualidade e estilo próprios, a espiritualidade sodálite, que foi confirmada pelo Papa João Paulo II como um caminho válido até a santidade. As Fraternas, com espirito de humildade, procuram servir e amar intensamente à Igreja. São identificadas por três características: a plena disponibilidade, a identidade leiga e a vida comunitária.